PL revoga lei de incentivo fiscal à indústria têxtil

Atendendo ao setor produtivo, projeto do Executivo torna nulos os efeitos de norma proposta pelo próprio governo e aprovada no mês passado, na Ales

Por Aldo Aldesco, com edição de Angèle Murad | Atualizado há 5 dias

Dois homens e uma mulher sentados atrás de mesa do Plenário, onde há microfones, água e computadores
Nova proposta do Executivo começou a tramitar nesta quarta-feira, com leitura na sessão ordinária / Foto: Lucas S. Costa

O Executivo estadual enviou à Assembleia Legislativa (Ales) o Projeto de Lei (PL) 403/2022, que revoga os incentivos fiscais na indústria têxtil e em outros setores. Esses benefícios constam na Lei 11.662/2022, fruto de proposta enviada em junho deste ano pelo próprio governo e aprovada em regime de urgência pelos deputados no último dia 13 de julho

A norma em vigor concede benefícios fiscais às indústrias dos setores de produtos têxteis, artigos de tecidos, confecção de roupas e acessórios de vestuário e aviamentos para costura; e para as indústrias dos setores de couros, peles e assemelhados, calçados, malas, bolsas e artefatos afins. Tais benefícios existiriam no Rio de Janeiro, nos mesmos setores industriais, segundo o governo.  

Entretanto, o Executivo, com base em argumentação dos setores da produção que seriam, em tese, beneficiados, decidiu revogar a Lei Estadual 11.662/2022. É que os novos benefícios fiscais impedem o setor de usar os créditos relativos ao ICMS, fato que não acontecia antes da nova norma. 

“O que o segmento veio a perceber é que as condições estabelecidas para a fruição do benefício acabariam por agravar sua carga tributária, visto que o sistema veda o aproveitamento de qualquer crédito do imposto. Até então, as empresas aproveitavam o crédito de ICMS relativo às aquisições, limitado ao percentual de 7%”, explica o governador Renato Casagrande (PSB) na justificativa do PL 403/2022. 

Fotos da sessão ordinária

A norma a ser revogada alterou a Lei Estadual 10.568/2016 – Lei dos Contratos de Competitividade (Compete). O Compete institui benefícios fiscais à economia capixaba, com o objetivo de garantir competitividade no mercado. Esses benefícios foram criados para que os produtores espírito-santenses pudessem fazer frente aos preços das mercadorias de outros estados que, por sua vez, também recebem incentivos fiscais visando oferecer valores menores do que os da concorrência. 

Tramitação

O PL 403/2022 foi lido na sessão ordinária desta quarta-feira e vai tramitar nas comissões de Justiça e Finanças. No dia 3 de agosto foi aprovado regime de urgência por solicitação do líder do governo na Casa, deputado Dary Pagung (PSB). O deputado também propôs emenda para incluir ao texto do projeto artigo que torna nulos os efeitos da lei durante sua vigência.

Matéria veda homenagem a escravocratas
Prédios públicos também não poderão ter o nome de defensores da ditadura militar, nazistas, condenados por racismo, entre outros
Condutor de viatura pode ficar isento de pagar CNH
Proposta beneficia servidores das polícias Civil, Militar, Penal, Bombeiro Militar e do Iases responsáveis pela condução de veículos dos órgãos
Reunião debate segurança em transporte escolar
Segundo advogado, motoristas de aplicativo estariam realizando transporte de estudantes de forma irregular
Deputado alerta para uso responsável de auxílio
Majeski criticou oferta de crédito consignado para o Auxílio Brasil e lembrou os altos juros cobrados nos empréstimos
Matéria veda homenagem a escravocratas
Prédios públicos também não poderão ter o nome de defensores da ditadura militar, nazistas, condenados por racismo, entre outros
Condutor de viatura pode ficar isento de pagar CNH
Proposta beneficia servidores das polícias Civil, Militar, Penal, Bombeiro Militar e do Iases responsáveis pela condução de veículos dos órgãos
Reunião debate segurança em transporte escolar
Segundo advogado, motoristas de aplicativo estariam realizando transporte de estudantes de forma irregular