Mameri propõe política pública para mulheres

Com foco nas vítimas de violência, projeto prevê aperfeiçoamento dos serviços especializados nas redes de atendimento de saúde e de assistência social

Por Wanderley Araújo, com edição de Angèle Murad

mãos em cima de bolsa
Auxílio financeiro e abrigo provisório para vítimas estão entre as ações propostas / Foto: Pedro Guerreiro/Agência Pará/Governo Pará

Tramita na Assembleia Legislativa (Ales) o Projeto de Lei (PL) 112/2022, que prevê a instituição da Política Estadual de Atendimento à Mulher Vítima de Violência no estado. A iniciativa é do deputado Dr. Emílio Mameri (PSDB). 

Conforme a proposta, as ações serão desenvolvidas de forma transversal às políticas e aos serviços públicos, buscando, entre outros objetivos, assegurar o atendimento integral à mulher vítima de violência, observados os princípios da dignidade da pessoa humana, da não discriminação e da não revitimação. 

Para isso, o PL prevê o aperfeiçoamento dos serviços especializados de atendimento à mulher vítima de violência nas redes de saúde e de assistência social e no sistema de justiça, por meio da articulação e humanização desses serviços e da garantia de seu funcionamento em tempo integral. 

Ainda de acordo com o projeto, outras ações deverão ser executadas, tais como promover a cidadania e a autonomia da mulher nos âmbitos pessoal e social; e garantir a igualdade de direitos entre mulheres e homens.  

Para garantir a continuidade da medida, a proposta estabelece que a Política Estadual de Atendimento à Mulher Vítima de Violência será levada em conta na formulação dos programas governamentais incluídos nos Planos Plurianuais (PPLs), Leis de Diretrizes Orçamentárias (LDOs) e Leis Orçamentárias Anuais (LOAs). 

Ações

O deputado relaciona, no projeto, ações que podem ser realizadas na implementação da política pública. Entre elas, a implantação de casas para o abrigo provisório e emergencial; a concessão de auxílio financeiro; a promoção de atividades de prevenção na rede estadual de ensino; a criação de centros para acolhimento e orientação; a criação de banco de empregos; e protocolos para garantir o sigilo de informações pessoais das mulheres vítimas de violência. 

Banco de dados

A matéria estabelece ainda que o poder público estadual manterá banco de dados contendo número de vítimas de feminicídio, estupro, lesal corporal e ameaça; quantidade de medidas judiciais protetivas concedidas; e número de casos de reincidência de violência doméstica e familiar. 

Além disso, o projeto proíbe que órgãos e entidades da administração pública estatual divulguem informações relativas a servidoras públicas beneficiadas com medida protetiva de urgência. 

Tramitação

As comissões permanentes de Justiça, Cidadania, Segurança e Finanças vão emitir parecer sobre a matéria antes da votação pelo Plenário. 

Lei 

Está em vigor no Espírito Santo a Lei 11.410/2021, com diretrizes para o monitoramento das mulheres vítimas de violência.  De iniciativa de Raquel Lessa (PP), a norma estabelece que as vítimas devem receber acompanhamento de assistentes sociais, que deve ser feito por meio de telefone, aplicativo de mensagens e busca ativa em residência. 

Proposta homenageia escritor capixaba
Iniciativa declara Amâncio Pinto Pereira patrono da Educação no Espírito Santo e busca dar visibilidade à produção literária do capixaba
Bancos de leite amparam mulheres na amamentação
Além de prover bebês internados com o leite doado, essas instituições também orientam mães no aleitamento  
Matéria veda homenagem a escravocratas
Prédios públicos também não poderão ter o nome de defensores da ditadura militar, nazistas, condenados por racismo, entre outros
Condutor de viatura pode ficar isento de pagar CNH
Proposta beneficia servidores das polícias Civil, Militar, Penal, Bombeiro Militar e do Iases responsáveis pela condução de veículos dos órgãos
Proposta homenageia escritor capixaba
Iniciativa declara Amâncio Pinto Pereira patrono da Educação no Espírito Santo e busca dar visibilidade à produção literária do capixaba
Bancos de leite amparam mulheres na amamentação
Além de prover bebês internados com o leite doado, essas instituições também orientam mães no aleitamento  
Matéria veda homenagem a escravocratas
Prédios públicos também não poderão ter o nome de defensores da ditadura militar, nazistas, condenados por racismo, entre outros