Proposta faz adequações na lei do ICMS

Objetivo é formalizar regras para a cobrança do diferencial de alíquotas (Difal) entre os estados

Por Marcos Bonn, com edição de Angèle Murad

Proposta do Executivo visa adequar a legislação estadual do ICMS à Lei Complementar Federal 190/2022. Essa regra começou a valer em janeiro deste ano a fim de atender a uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a regulamentação da cobrança do diferencial de alíquotas (Difal) para o consumidor final. O texto será analisado em caráter de urgência pelas comissões de Justiça e Finanças da Assembleia Legislativa (Ales). 

Segundo o gerente tributário da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz), Hudson Carvalho, o Projeto de Lei (PL) 69/2022 não traz inovações, mas promove segurança jurídica no campo tributário. Anteriormente à LC 190/2022, as operações de Difal para o consumidor final estavam sendo regradas por meio de convênio firmado entre os estados, o que foi condenado pelo STF.

O Difal está em vigor desde 2015, amparado na Emenda Constitucional 87, e foi criado para evitar a guerra fiscal entre os Estados, proporcionando tratamento tributário mais igualitário, destaca Carvalho. 

Por exemplo, se um consumidor final capixaba compra uma impressora em um site carioca, quando o produto sair do Rio de Janeiro, a loja emitirá uma nota fiscal com alíquota interestadual de 7%, que ficará com aquele Estado. Nesse caso, o Espírito Santo, cuja alíquota interna é de 17%, ficará com 10% - o diferencial da alíquota interna menos a interestadual (17% - 7%). Esse percentual será recolhido pelo estabelecimento comercial.

De acordo com o gerente tributário da Sefaz, a partilha desse tributo foi uma medida encontrada para amenizar a diferença de arrecadação do ICMS de estados mais ricos em decorrência do aumento do comércio eletrônico no Brasil. Se o exemplo acima fosse simulado antes da criação do Difal em 2015, o RJ ficaria com a alíquota interna cheia, que é de 18%, ao passo que o Espírito Santo nada arrecadaria. 

Por conta disso, lembra Carvalho, estados como São Paulo, onde existem muitos polos comerciais e industriais, passaram a enriquecer com o aumento do e-commerce. Conforme frisa, o consumidor final, mesmo que de outro estado, dá preferência à compra fora devido aos preços mais baixos do que os praticados no local de origem. 

O gerente da Sefaz afirma que todas as mudanças da Lei Estadual 7.000/2001, que trata da cobrança do ICMS no Espírito Santo, guardam relação com a Lei Complementar 192/2022. 

PLs incluem estradas do sul em plano estadual
Quatro vias em Cachoeiro, uma em Alegre e outra em Vargem Alta podem passar a fazer parte da malha rodoviária estadual
Doutor Hércules alerta para risco da diabetes
Parlamentar repercutiu, na sessão, dado da Sociedade Brasileira de Angiologia sobre amputação em decorrência da doença 
PLC fixa número de policiais por habitante
Proposta começou a tramitar na sessão ordinária desta quarta, quando também foi lido projeto que reduz o ICMS da gasolina
Farmácias seguem tendo que informar sobre ofertas
Ales manteve veto do governo a projeto que desobriga segmento farmacêutico de informar ao consumidor comparativo com o preço anterior ao promocional
PLs incluem estradas do sul em plano estadual
Quatro vias em Cachoeiro, uma em Alegre e outra em Vargem Alta podem passar a fazer parte da malha rodoviária estadual
Doutor Hércules alerta para risco da diabetes
Parlamentar repercutiu, na sessão, dado da Sociedade Brasileira de Angiologia sobre amputação em decorrência da doença 
PLC fixa número de policiais por habitante
Proposta começou a tramitar na sessão ordinária desta quarta, quando também foi lido projeto que reduz o ICMS da gasolina