Empoderamento feminino é celebrado em solene

Empreendedoras, profissionais liberais, pastoras, políticas, jornalistas e militares foram homenageadas em evento 

Por Aldo Aldesco, com edição de Angèle Murad | Atualizado há 4 meses

Mulher segura certificado rodeada de outras pessoas, todas em pé
Iniciativa foi do deputado Dr. Rafael Favatto / Foto: Ana Salles

Empreendedoras de vários ramos, assistentes sociais, psicólogas, médicas, cabeleireiras, políticas, jornalistas, militares e pastoras formaram o grupo de mulheres homenageadas em sessão solene pela Assembleia Legislativa do Espírito Santo (Ales). A solenidade aconteceu na noite de terça-feira (29), no Plenário Dirceu Cardoso.

Na abertura, o deputado Dr. Rafael Favatto (Patri), proponente do encontro, citou como exemplo do empoderamento feminino a vice-prefeita de Vitória, Estéfane da Silva Franca Ferreira (Republicanos).

Álbum de fotos da solene

O parlamentar ressaltou que as mulheres possuem visão acolhedora e mediadora de conflitos. Como exemplo disso falou da mãe que abriga o filho no colo nos momentos de frustração. 

Para Favatto, a mulher deve ocupar todos os espaços existentes e aqueles que vierem a surgir: “É esse poder que vocês têm de tomar posse e transformá-lo em sua atividade de trabalho. Porque mãe é aquela que ora, que zela. Quando a pessoa faz bem feito, faz com o coração, ela vira uma dona de supermercado, de um salão de beleza, vira policial militar, Esse poder que a mulher tem é o verdadeiro empoderamento. É isso que nós queremos ter cada vez mais. O domínio das mulheres, ao nosso lado, nos cercando e nos levando a lugares melhores. O mundo está cada vez melhor porque nós temos as mulheres para ocupar esses espaços”, afirmou. 

Legitimidade

A capitã PM e vice-prefeita de Vitória, Estéfane Ferreira, relatou a sua trajetória na Polícia Militar desde o concurso de ingresso na corporação. Disse que, quando entrou na PM, houve uma quebra de paradigmas, já que os primeiros colocados nas provas intelectuais foram as mulheres. 

Para ela, não se trata de empoderar as mulheres, “mas reconhecer o poder que temos e que está dentro de nós. Ser mulher militar é muito difícil porque nós somos preteridas. Hoje é muito bonito ver as mulheres ocupando todas as fileiras. Estar nesta sessão é mais do que um ato de homenagem, mas é um ato de legitimidade. É quando a gente reconhece o que tem no outro e não quando a pessoa impõe. Isso as mulheres carregam. A autoridade tem uma face muito masculina em todas as suas instâncias e eu experimentei isso dentro da Polícia Militar. E, às vezes, só por ser mulher, você é desacreditada. A gente tem que se colocar ainda mais competente, ainda mais segura, ainda mais capaz”, analisou a vice-prefeita.

Medo e força

A jornalista Ana Katia Covre, que é produtora e apresentadora da TV Ambiental, exaltou as mulheres a continuarem a luta por seus lugares. Disse que a mulher desconhece a própria força e que essa força aflora diante da necessidade.

“Continuem, mulheres, a afiarem suas espadas, a mente, o conhecimento, o coração, os sonhos, e não deixem que o cansaço, a falta de apoio, de reconhecimento abatam o que você faz de melhor. Hoje é um dia importante para comemorar uma vida de enfrentamento dos próprios medos. Afinal, quem não os tem? Mas também temos coragem para enfrentar nossos próprios medos”, enfatizou a jornalista. 

Composição da mesa

Favatto presidiu os trabalhos e compuseram a mesa do evento a vice-prefeita de Vitória, Estéfane da Silva Franca Ferreira; jornalista Ana Katia Covre; a subsecretária municipal de Assistência Social do Cariacica, Geane Resende Rodrigues Fernandes; a empresária no setor de beleza Camila Marques; a pastora Ângela Neto; a delegada Fernanda de Souza Diniz; e a médica Sônia Solange Coutinho.

Homenageadas com certificados

  1. Maria das Dores Prezotti
  2. Verilene Breder
  3. Paula Dornelas Andrião
  4. Caroline Campos dos Santos
  5. Fernanda de Souza Diniz
  6. Maria da Penha Correia Andrade
  7. Maria Delza Carreiro Rocha
  8. Edna Luzia Furtado
  9. Mirtes Resende Rodrigues
  10. Lucimara da Silva Borges
  11. Adriana Machado
  12. Josiany Soares Helmer
  13. Renata Dineia Kill Helker de Freitas
  14. Angela Neto
  15. Ana Katia Covre
  16. Marcela Alvarenga Nunes de Souza
  17. Bruna Karla Cardoso de Melo Ávila
  18. Claudia Núbia Garcia Vianna
  19. Patrícia Prezotti
  20. Andressa Aparecida de Oliveira
  21. Maria da Penha Almeida Costa
  22. Rutileia da Silva Teixeira Oliveira
  23. Renata Carvalho
  24. Sirley Gobbi
  25. Kelly Cristiane Leal de Castro
  26. Geane Resende Rodrigues Fernandes
  27. Luciene Louredo de Oliveira
  28. Bruna Marques dos Santos
  29. Luzinete Laurett de Oliveira
  30. Diana Bragança
  31. Sandra Regina Bezerra Gomes  
  32. Camila Marques
  33. Claudineia Helmer
  34. Hemile Lorraine Chesquini
  35. Kelly Cristiane Leal de Castro
  36. Laudiceia Cypreste
  37. Sônia Solange Coutinho
  38. Jenilce Hermes Romano
  39. Olga Maria Colodetti Prudêncio
  40. Estéfane da Silva Franca Ferreira
Matéria veda homenagem a escravocratas
Prédios públicos também não poderão ter o nome de defensores da ditadura militar, nazistas, condenados por racismo, entre outros
Condutor de viatura pode ficar isento de pagar CNH
Proposta beneficia servidores das polícias Civil, Militar, Penal, Bombeiro Militar e do Iases responsáveis pela condução de veículos dos órgãos
Reunião debate segurança em transporte escolar
Segundo advogado, motoristas de aplicativo estariam realizando transporte de estudantes de forma irregular
Deputado alerta para uso responsável de auxílio
Majeski criticou oferta de crédito consignado para o Auxílio Brasil e lembrou os altos juros cobrados nos empréstimos
Matéria veda homenagem a escravocratas
Prédios públicos também não poderão ter o nome de defensores da ditadura militar, nazistas, condenados por racismo, entre outros
Condutor de viatura pode ficar isento de pagar CNH
Proposta beneficia servidores das polícias Civil, Militar, Penal, Bombeiro Militar e do Iases responsáveis pela condução de veículos dos órgãos
Reunião debate segurança em transporte escolar
Segundo advogado, motoristas de aplicativo estariam realizando transporte de estudantes de forma irregular