Transparência no governo gera debate em sessão

Deputados discutiram revogação de decreto que atribuía à Secont competência sobre avaliação prévia de licitações e afins

Por Gleyson Tete, com edição de Nicolle Expósito

Deputados reunidos no Plenário Dirceu Cardoso durante sessão
Deputados durante os trabalhos em plenário desta terça-feira / Foto: Lucas S. Costa

O presidente Erick Musso (Republicanos) usou a palavra na sessão ordinária híbrida da Assembleia Legislativa (Ales) desta terça-feira (15) para fazer um “alerta” ao governo do Estado sobre decreto do Executivo que poderia prejudicar a transparência em licitações feitas no Estado. Parlamentares da base, entretanto, argumentaram que isso não aconteceria porque existem resoluções e uma lei complementar que protegem as atribuições da Secretaria de Estado de Controle e Transparência (Secont).

De acordo com Musso, o Decreto 5.087-R/2022, publicado no Diário Oficial do Espírito Santo (DIO-ES) desta terça, revoga o Decreto 4.164-R/2017, que previa uma avaliação prévia da Secont em relação a processos licitatórios, convênios, concessões e parcerias público-privadas (PPPs).

“Estão tirando o controle da Secont nos processos licitatórios em ano eleitoral. Faço um alerta ao governador e à equipe. Esse tipo de atitude não contribui com o processo democrático de direito e com a transparência na coisa pública. (...) Não se priva a transparência num mundo em que temos que avançar na transparência, não regredir”, ressaltou.

Os deputados Dary Pagung e Freitas, ambos do PSB, destacaram que o Estado mantém nota A em avaliação do Tesouro Nacional desde 2013 e é considerado o mais transparente do país em rankings de diferentes organizações. “O governador não quer deixar de ter o Estado mais transparente do Brasil e não tomaria medida neste sentido”, falou o segundo.

Fotos da sessão ordinária

Vandinho Leite (PSDB) disse que o decreto de 2017 havia sido criado de forma provisória para lidar com questões envolvendo convênios enquanto não ocorressem as devidas regulamentações. Conforme o tucano, a norma ficou inócua por conta da Lei Complementar 856/2017, que estruturou o controle interno no Estado, e da Resolução 37/2021, do Conselho do Controle e da Transparência (Consect), que manteve a competência da Secont para convênios e todos os atos do Executivo estadual como contratações e licitações.

Freitas complementou a fala do colega e reforçou que o próprio decreto de 2017 já previa que o Conselho da Transparência faria as regulamentações por meio de resolução. “São quase 25 resoluções, todas elas publicadas no Portal da Transparência. As resoluções dão autonomia para a Secont exercer suas funções”, garantiu.

Diante das explicações, Musso sugeriu que o governo encaminhasse para a Casa um projeto fazendo a compilação de todas as resoluções. De acordo com o deputado, resolução é mais simples de ser modificada. “Mande um projeto pra gente poder continuar tendo segurança jurídica. A Assembleia tem que ficar atenta às questões da transparência. (...) Vamos fazer uma Lei Geral da Transparência”, afirmou.

Os deputados Coronel Alexandre Quintino (PSL), Iriny Lopes (PT) e Bruno Lamas (PSB) também se manifestaram acerca do tema.

Chuvas

As fortes chuvas que estão caindo nesta terça motivaram pronunciamentos dos deputados Torino Marques (PSL) e Janete de Sá (PMN). Eles pediram para as pessoas afetadas entrarem em contato com a Defesa Civil ou o Corpo de Bombeiros e solicitaram apoio do Executivo estadual para os municípios.

“São 38 municípios castigados pelas chuvas até o momento, que provocam alagamentos, destelhamentos de comércios e residências e risco de vida para as pessoas. Boletim da Defesa Civil aponta quatro cidades com risco alto de alagamentos e oito para deslizamento de terras”, frisou Torino.

Janete falou que diversos bairros de Cariacica estavam com as ruas inundadas e que escolas públicas também sofreram com os alagamentos. Além disso, a previsão é de mais chuvas. “O Inpe emitiu dois novos alertas de chuvas intensas para o Espírito Santo até as 10 horas desta quarta. Fevereiro será um mês de chuvas acima da média”, concluiu. 

Matéria veda homenagem a escravocratas
Prédios públicos também não poderão ter o nome de defensores da ditadura militar, nazistas, condenados por racismo, entre outros
Condutor de viatura pode ficar isento de pagar CNH
Proposta beneficia servidores das polícias Civil, Militar, Penal, Bombeiro Militar e do Iases responsáveis pela condução de veículos dos órgãos
Reunião debate segurança em transporte escolar
Segundo advogado, motoristas de aplicativo estariam realizando transporte de estudantes de forma irregular
Deputado alerta para uso responsável de auxílio
Majeski criticou oferta de crédito consignado para o Auxílio Brasil e lembrou os altos juros cobrados nos empréstimos
Matéria veda homenagem a escravocratas
Prédios públicos também não poderão ter o nome de defensores da ditadura militar, nazistas, condenados por racismo, entre outros
Condutor de viatura pode ficar isento de pagar CNH
Proposta beneficia servidores das polícias Civil, Militar, Penal, Bombeiro Militar e do Iases responsáveis pela condução de veículos dos órgãos
Reunião debate segurança em transporte escolar
Segundo advogado, motoristas de aplicativo estariam realizando transporte de estudantes de forma irregular