Iriny quer disciplina sobre mídias nas escolas

Para a parlamentar, iniciativa visa preparar jovens para lidar com grande volume de informação nos dias atuais

Por Marcos Bonn, com informações da assessoria de imprensa da deputada Iriny Lopes e edição de Angèle Murad | Atualizado há 1 mês

Alunos sentados em carteiras, de máscara, e professora de costas, em pé
Ao justificar proposta, Iriny ressalta tempo dedicado às mídias e exposição a crimes cibernéticos / Foto: Lucas S. Costa

A deputada Iriny Lopes (PT) sugere que a matéria Educomunicação – Leitura e Educação para as Mídias seja incluída no currículo de alunos do ensino fundamental e médio, tanto da rede pública quanto particular. Esse é o objetivo do Projeto de Lei (PL) 587/2021. 

“A matéria em questão apresenta-se relevante para o desenvolvimento da juventude capixaba, hoje bastante familiarizada com as novas tecnologias de comunicação, mas ainda despreparada para lidar com o volume informacional intenso a que tem acesso”, argumenta. Segundo ela, muitos ficam expostos a crimes cibernéticos, com impacto na vida real.

A iniciativa, defende a autora, insere-se no contexto atual de reorganização na grade curricular promovida pelo Novo Ensino Médio e é balizada pelos constantes avanços tecnológicos. Ela afirma que jovens gastam de 8 a 10 horas por dia com as mídias, mais do que o dobro do tempo dedicado à escola. 

“Os educadores e legisladores do país precisam rever o espaço que a escola ocupa no cotidiano das crianças e jovens brasileiros, hoje mais próximos do conteúdo informacional que expõe a mídia que propriamente do que se ensina nas escolas”, salienta. 

Conforme justificativa do texto, não há alternativa que não seja estudar a mídia para entender seus mecanismos em um cenário de dependência dos meios de comunicação. “Não há como vivermos sem ela. A mídia está em todos os lugares e há correntes filosóficas que reconhecem as dificuldades da humanidade em controlá-la”, frisa a petista.

Iriny Lopes acredita que a alteração na grade curricular pode dar um novo rumo à educação capixaba com respostas positivas na sociedade. De acordo com a proposta, o Executivo terá 90 dias para regulamentar a virtual lei.

Parte da iniciativa da deputada veio após sugestão feita pelo Núcleo de Pesquisa e Ação Observatório da mídia: direitos humanos, políticas, sistemas e transparência, do departamento de Comunicação Social da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes). O núcleo já atua na área por meio do projeto Comunicaê, que oferece oficinas de educação midiática em escolas estaduais e municipais da região da Grande Vitória.

Tramitação

O PL 587/2021 será analisado pelas comissões de Justiça, Educação e Finanças.

Deputados: Iriny Lopes
Aprovado fim de taxa de cartório para conselho escolar
Se virar lei, iniciativa aprovada pela Assembleia deve apoiar órgãos que representam comunidade escolar
PL que doa imóvel a VV tramita em urgência
No local já existem duas escolas, uma quadra e um Centro de Referência de Assistência Social
Finanças aprova calamidade para seis municípios
Requerimentos aprovados atendem as prefeituras de Marataízes, Vila Velha, São Mateus, Mucurici, Santa Leopoldina e Cariacica
Novo Carmélia promete reforçar área cultural
Revitalização do teatro é um dos destaques do projeto de reforma, apresentado à Comissão de Cultura da Assembleia
Aprovado fim de taxa de cartório para conselho escolar
Se virar lei, iniciativa aprovada pela Assembleia deve apoiar órgãos que representam comunidade escolar
PL que doa imóvel a VV tramita em urgência
No local já existem duas escolas, uma quadra e um Centro de Referência de Assistência Social
Finanças aprova calamidade para seis municípios
Requerimentos aprovados atendem as prefeituras de Marataízes, Vila Velha, São Mateus, Mucurici, Santa Leopoldina e Cariacica