Evento discute cuidado materno e neonatal

Seminário em alusão ao Dia Mundial da Segurança do Paciente foi realizado com a presença de pesquisadores e profissionais da saúde

Por Larissa Lacerda, com edição de Titina Cardoso

Pessoas reunidas em auditório
Deputado Gandini promoveu debate sobre o Dia da Segurança do Paciente, comemorado nesta sexta (17) / Foto: Ana Salles

No Dia Mundial da Segurança do Paciente, comemorado nesta sexta-feira (17), a Assembleia Legislativa (Ales) sediou um seminário sobre o tema com participação de profissionais da saúde e pesquisadores da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes). Este ano, a Organização Mundial da Saúde (OMS) instituiu como tema da campanha o cuidado materno e neonatal seguro. Durante o seminário, foram debatidas ações de segurança do paciente para redução de riscos e eventos adversos durante os atendimentos, em especial ligados ao pré-natal e ao parto seguro e respeitoso. 

A representante da Sociedade Brasileira para Qualidade do Cuidado e Segurança do Paciente (Sobrasp), Flávia Batista Portugal, alertou que, no mundo, cerca de 830 mulheres morrem por dia de causas evitáveis relacionadas à gravidez e ao parto. E, em média, 6,7 mil recém-nascidos morrem diariamente.

“A OMS definiu para esse ano o tema cuidado materno e neonatal seguro devido ao impacto que a ausência da assistência ou uma assistência inadequada pode gerar. Além disso, é importante destacar que a violência obstétrica é bastante presente. O cuidado materno ainda está permeado por questões de gênero que precisam ser discutidas”, destacou.

Veja as fotos do evento

Impactos da pandemia

Flávia ressaltou que a situação foi agravada pela pandemia de coronavírus, já que, com as medidas de distanciamento, muitas mulheres tiveram dificuldades de procurar o serviço de saúde para realização de pré-natal. “Hoje, a principal ação que pode garantir que a mulher não tenha problemas durante o parto é um pré-natal adequado. Com a pandemia, muitos serviços e a quantidade de atendimentos diminuíram e isso dificultou o acesso das mulheres às medidas capazes de evitar eventos adversos no futuro”.

A representante do Conselho Regional de Medicina (CRM-ES), Marta Helena Zortea, destacou que o atendimento adequado e o parto seguro a todas as pacientes devem ser garantidos por políticas públicas. “É necessário proporcionar recursos, estruturas e responsabilização para a manutenção efetiva da segurança. Isso passa pela questão da gestão. Não basta apenas ter um profissional de saúde cheio de boa intenção, tem que se trabalhar a política pública para que esses recursos venham para os profissionais e para as pacientes”, frisou.

O seminário sobre o Dia Mundial da Segurança do Paciente foi proposto pelo deputado Gandini (Cidadania). O parlamentar destacou o papel do poder público na garantia da segurança nos atendimentos de saúde. “Essa discussão é muito importante para alcançarmos avanços no controle de mortes evitáveis. No Espírito Santo, por exemplo, 77% das mortes de mães eram evitáveis se tivessem sido tomados os cuidados necessários. A pandemia ocasionou ainda mais problemas desse tipo, por isso o poder público precisa se aproximar desse debate”, concluiu o deputado.

Ao final do seminário, Gandini assinou uma carta-compromisso com medidas de redução da mortalidade materna e neonatal. A carta-compromisso é uma iniciativa da Aliança Nacional para o Parto Seguro e Respeitoso, grupo criado por 50 entidades, entre elas a Sobrasp, o Conselho Federal de Enfermagem (Cofen) e universidades públicas. O objetivo da aliança é colher assinaturas das autoridades públicas dos poderes legislativos e executivos para que as medidas em defesa do atendimento adequado às gestantes e aos recém-nascidos sejam colocadas em prática no Brasil.
 

Deputados: Gandini
Aprovado fim de taxa de cartório para conselho escolar
Se virar lei, iniciativa aprovada pela Assembleia deve apoiar órgãos que representam comunidade escolar
PL que doa imóvel a VV tramita em urgência
No local já existem duas escolas, uma quadra e um Centro de Referência de Assistência Social
Finanças aprova calamidade para seis municípios
Requerimentos aprovados atendem as prefeituras de Marataízes, Vila Velha, São Mateus, Mucurici, Santa Leopoldina e Cariacica
Novo Carmélia promete reforçar área cultural
Revitalização do teatro é um dos destaques do projeto de reforma, apresentado à Comissão de Cultura da Assembleia
Aprovado fim de taxa de cartório para conselho escolar
Se virar lei, iniciativa aprovada pela Assembleia deve apoiar órgãos que representam comunidade escolar
PL que doa imóvel a VV tramita em urgência
No local já existem duas escolas, uma quadra e um Centro de Referência de Assistência Social
Finanças aprova calamidade para seis municípios
Requerimentos aprovados atendem as prefeituras de Marataízes, Vila Velha, São Mateus, Mucurici, Santa Leopoldina e Cariacica