Da tentativa de suicídio ao novo sentido para vida

Aos 36 anos, o terapeuta Bruce Carvalho conta como o trabalho voluntário o ajudou a vencer a depressão

Por Patrícia Bravin com produção de Fabienne Costa

Bruce Carvalho
Bruce Carvalho recorreu ao autoconhecimento e à meditação para retomar a rotina / Foto: Divulgação Instagram

* Matéria originalmente publicada em 21/09/2020

“Quando eu decidi que tinha chegado ao limite da vida, com meus sentimentos de inadequação social e dor existencial, foi um misto de emoções, mas o que prevalecia era uma sensação de alívio. Eu pensava: se eu não tivesse mais aqui nessa vida, toda dor que eu sentia se resolveria”.  Ao desnudar um dos momentos mais difíceis que já viveu, o bacharel em Direito e hoje terapeuta Bruce Carvalho, 36 anos, relata o caminho que percorreu para superar a vontade de tirar a própria vida. 

Bruce diz que não consegue identificar quando os sintomas da depressão chegaram. Diz que não gostava do curso de Direito, mas que fazia porque ganhou bolsa, e não sentia motivação no emprego de nove anos que tinha no serviço público. “Vivia sobrecarregado até o ponto de pedir exoneração. Daí em diante, veio o desemprego por dois anos e os sentimentos de falta de lugar no mundo”, desabafa.

Foi o trabalho voluntário e o apoio do companheiro que resgatou o terapeuta para uma nova vida. “Depois de tudo, certo dia, tive uma longa crise de choro. Eu falei sozinho e contando a Deus que não aguentava mais meus sentimentos. Então tive a ideia de ir com meu irmão fazer serviços voluntários”, revela.

Ao contrário do que muita gente pensa, não foi por falta de diálogo que Bruce chegou a atentar contra a vida por duas vezes. Ele conta que era cercado de amigos e familiares que tentavam incentivá-lo e não o deixavam passar necessidades. “Isso aumentava meu sentimento de incapacidade. Eu me sentia um peso para todos. Só mudou isso no serviço comunitário, quando comecei a perceber que muitas pessoas passavam por problemas como eu e, às vezes, mais sérios”, lembra.

Retomar não foi fácil. Bruce afirma que precisou dedicar-se ao autoconhecimento e à meditação para retomar a rotina, o trabalho e os estudos. “Em 2018 terminei um mestrado em Reiki, uma terapia oriental. Hoje dou cursos e, depois que vi minha vida transformada, comecei a promover encontros de meditação em um espaço que chamo de ‘Vibrar’. Aprendi a conviver com os momentos de introspecção e sei que a felicidade não é algo contínuo”, ensina. 

Depressão profunda requer escuta qualificada 

“Você vai sair dessa. Tudo vai dar certo. Amanhã será diferente. A vida é cheia de oportunidades. Bola pra frente”. Frases como essas são bem comuns principalmente nas redes sociais, e muita gente acha que argumentos assim podem ajudar alguém que está em desespero emocional. Sim, conversar é importante, mas a abordagem inadequada pode aumentar os sentimentos de incapacidade social. É por isso que especialistas defendem que discutir a saúde mental é uma pauta que precisa ir além do Setembro Amarelo, mês dedicado à prevenção do suicídio.

A psicóloga Juliana Vieira destaca a importância de investir na escuta qualificada. “É preciso transformar sofrimento em palavra. É claro que falar de uma dor não é o mesmo que eliminá-la. E uma vez que somos sujeitos de linguagem, não há nada que nos segure na vida a não ser o laço com os outros. Sentido da vida é um verbo que se conjuga na relação com as pessoas da nossa história”, explica.

A psicóloga pondera que o acolhimento de uma pessoa em profunda angústia - o que ela chama de escuta qualificada – deve ser feito por um profissional com qualificação. “Existe um percurso de estudo e formação clínica para fazer essa abordagem sobre o profundo sofrimento do outro. É preciso encaminhar essa pessoa a um trabalho subjetivo de reflexão. Cada sujeito vive algo singular de sua própria existência. Não estamos tratando de coisas objetivas”, ensina.

Juliana cita ensinamento do psicanalista Freud de que a morte é um conceito abstrato, sem nenhum correlativo no inconsciente. “Ou seja, quando alguém diz que quer morrer, essa pessoa não está mesmo querendo morrer, porque a gente não sabe o que é a morte para querê-la. O que se apresenta como desejo de morte, então, é o desejo de cessar a dor, de parar o sofrimento, de estancar a angústia”, diz.

Para a psicóloga, a sociedade não tem espaço para a impotência e a incapacidade de ser ativo e produtivo. “Mas é preciso colocar em questão o sofrimento humano. O suicídio é uma realidade muito maior do que a realidade mostra. E o tema é pouco abordado na mídia por conta do efeito cascata, mas acaba anulando o assunto, que é um grande problema de saúde pública”. 

A psicóloga ressalta como o profissional pode ajudar nesse processo: “A gente fala que sabe que está difícil, que a vida vale muito e pede ao paciente permissão para acompanhar naquilo tudo que ele está vivendo  e tentar, juntos, uma possibilidade. Isso porque é um caminho do próprio sujeito e não do outro. Ninguém pode salvar um sujeito de si mesmo”, esclarece.

Setembro Amarelo 

A psiquiatra Telma Freitas Pimenta, coordenadora da Campanha Setembro Amarelo da Associação Psiquiátrica do Espírito Santo, explica que a campanha visa informar a importância de medidas de saúde capazes de diagnosticar e tratar devidamente as doenças mentais, a partir do treinamento de profissionais, especialmente médicos, para diagnosticar fatores de risco e incentivar medidas protetivas ambientais. 

Ao ser implantada no Brasil em 2014, pela Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) e pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), a campanha primou pela responsabilidade e comunicação consciente, com o intuito de promover informação e tratamento o mais precoce de doenças psiquiátricas.

“O ato suicida não ocorre de modo isolado. fatores envolvendo impulsividade, ambivalência e rigidez mental se fazem presentes no indivíduo que tira a própria vida. Avaliar o grau de risco, se é leve, moderado ou grave, permite encaminhar a pessoa para o tratamento mais adequado ao caso”, afirma Telma Pimenta, que é vice-presidente do Conselho Regional de Medicina (CRM-ES).

Ela alerta que o suicídio é uma emergência médica e que a saúde pública precisa estar preparada com redes de atendimento em todas as áreas, primária ou básica, secundária e terciária. “Deve existir um fluxo adequado entre as mesmas , para a eficácia da prevenção. Com a informação correta e munido de orientações sobre o assunto, o estigma da doença mental deve ser quebrado.  Assim, ao saber que existe tratamento, a busca do indivíduo por ajuda profissional aumenta, diminuindo o risco de suicídio. E mais: com a solidariedade naturalmente exercida pelo cidadão, torna- se factível obter o êxito pretendido”, afirma a psiquiatra.

Além dos debates sobre o suicídio, a campanha traz a proposta de pintar, iluminar e estampar o amarelo nas mais diversas situações, garantindo mais visibilidade à causa. Ao longo dos últimos anos, escolas, universidades, entidades do setor público e privado e a população de forma geral se envolveram, presencial ou virtualmente, nesse movimento, em todo o país. 

“Mas todos podem ser divulgadores dessa importante causa.  Ações na rua, caminhadas, passeios ciclísticos, roupas amarelas ou simplesmente o uso do laço no peito já despertam atenção e contribuem para a conscientização. Faça parte desta causa! E não se esqueça: A campanha é em setembro, mas falar sobre prevenção do suicídio em todos os meses do ano é fundamental”, convoca o movimento. 

A Campanha Setembro Amarelo tem uma página na internet com todas as informações sobre a história e os eventos relacionados com o movimento.

Frente Parlamentar de Saúde Mental

A Frente Parlamentar em Defesa da Saúde Mental foi proposta pelo deputado e médico Emílio Mameri (PSDB). O colegiado tem atuado no debate sobre as doenças psiquiátricas. O objetivo é contribuir para a discussão em torno da modernização do tratamento oferecido no Espírito Santo para os pacientes. 

A FP tem se pautado em dialogar com especialistas e pacientes para formatar um novo modelo de atendimento e de serviços de saúde mental no estado. “Acredito que é possível aproveitarmos projetos desenvolvidos em outras partes do país e do mundo que estejam trazendo resultados positivos. Sabemos que é um tema complexo, mas, se você quer combater, é preciso discutir”, afirma Mameri.

Uma das metas da FP é elaborar um protocolo para facilitar a identificação de potenciais vítimas para facilitar as medidas de prevenção. A preocupação central do colegiado hoje é com a pandemia do novo coronavírus.  

“É o que chamamos de “Quarta Onda”, em que teremos que tratar do adoecimento mental durante e também no período pós pandemia. São muitos os fatores que precisam ser abordados dentro desse tema. As pessoas estão adoecendo, perdendo parentes e amigos, o próprio confinamento e distanciamento social, tudo isso. São muitos os aspectos que contribuem para o prejuízo da saúde mental no atual contexto”, conclui o deputado.

Além da frente parlamentar, o tema saúde mental também tem abordagens constantes na Comissão de Saúde da Ales, presidida pelo também médico e deputado Doutor Hércules (MDB). É dele a iniciativa da legislação que institui o Setembro Amarelo no Espírito Santo.  “Nós temos de falar com as famílias, temos de conversar sobre isso. É preciso que as pessoas observem aqueles que dizem que vão pôr fim à própria vida”, reforça o emedebista.

CVV 

Enquanto as políticas públicas de atendimento de urgência para casos de suicídio ainda caminham, a ONG Centro de Valorização da Vida (CVV) realiza um trabalho de referência. São mais de nove mil atendimentos via telefone, e-mail ou chat por dia e mais de 3 milhões por ano no Brasil, realizados em 120 postos. 

O serviço funciona 24 horas, diariamente, e é mantido por cerca de quatro mil voluntários dispostos a ouvir quem quer conversar sobre seus sentimentos e suas dores, com absoluto sigilo. Um dos idealizadores do “Setembro Amarelo”, o CVV propõe-se a ser como um pronto socorro emocional. ”Sabemos que a pessoa que quer se suicidar dá alguns sinais, não é fácil ver esses sinais, mas devemos estar atentos. Nós escutamos e facilitamos que ela se conecte, e a entender o porquê da sua dor”, explica Ana, porta-voz do CVV Vitória.

A voluntária defende que o suicídio é possível de ser prevenido. “”Acreditamos que falar é a solução porque a pessoa desabafa e reconhece o que sente. Ajudamos as pessoas a encontrar suas próprias soluções, a fazer seu próprio caminho, a reconhecer seus sentimentos, a dar nome a eles”, conta.

Além dos serviços a distância, o CVV tem um serviço à disposição das comunidades. “O CVV Comunidade promove palestras, cursos de Valorização da Vida, Campanha do Setembro Amarelo e o GASS, Grupo de Apoio aos Sobreviventes de Suicídio”. 

Sobre atendimentos durante a pandemia, a voluntária Ana disse que a ONG ainda não dimensionou os números, “mas percebemos que as pessoas que nos ligam abordam sentimentos relacionados ao confinamento, como o medo e a solidão, e as formas como estão sobrevivendo à crise”, pontua.

Na avaliação sobre o Setembro Amarelo no estado, Ana disse que é uma campanha que a sociedade abraçou para ajudar com debates, informações e com ampliação das ações de prevenção. “Falar sobre o suicídio ajuda a quebrar os tabus e mitos e a criar abertura para expor o que sente, reforça a necessidade de tratar dos transtornos emocionais que levam ao suicídio”, avalia. O acesso aos serviços pode ser feito pelo telefone 188, e-mail ou pelo chat disponível no site do CVV.

Números no ES durante a pandemia

De acordo com números fornecidos pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), de março a agosto de 2020, foram registrados 785 atendimentos de incidentes psiquiátricos envolvendo autoagressão e tentativas de suicídio, 152 ocorrências a mais que no mesmo período de 2019. Os seis primeiros meses de isolamento social acumulam um acréscimo de quase 20% de atendimentos registrados pela Sesa. 

A técnica de saúde mental da Secretaria da Saúde, Larissa Almeida Rodrigues, considera a campanha Setembro Amarelo como uma importante estratégia de prevenção. “Coloca o tema em evidência, principalmente nesse momento de pandemia, em que as pessoas estão mais vulneráveis. É um novo cenário com muitos fatores de risco também para a saúde mental; por isso, estamos atentos, capacitando e atualizando profissionais da área”, disse. 

A psiquiatra Thelma Pimenta explica que situações de crise, durante catástrofes ambientais, epidemias e pandemia são fatores de risco para a eclosão de quadros psiquiátricos em indivíduos com predisposição genética, sendo a ansiedade um dos mais comuns. “O Brasil ocupa o primeiro lugar mundial no ranking da doença. São 18 milhões de brasileiros que sofrem com isso. E então temos sim o agravamento de quadros psiquiátricos preexistentes e aqueles que estavam estabilizados com tratamento apresentam piora”.

First slide
First slide
First slide
PL quer evitar desconto em bônus para professor
Proposta de Sergio Majeski abona todas as licenças médicas apresentadas pelos profissionais da educação 
Espindula propõe farmácia veterinária popular
Proposta quer assegurar a famílias que têm animais de estimação acesso gratuito a medicamentos veterinários 
Instalação de GPS em caminhões pode virar lei
Proposta de Iriny Lopes obriga instalação do sistema em caminhões-betoneira e caminhões limpa-fossa com objetivo de monitorar descarte de concreto e dejetos
Jubileu da Faesa é celebrado na Assembleia
Promovido por Mameri, evento teve a entrega de 33 certificados, além de placa comemorativa e da Comenda Loren Reno
PL quer evitar desconto em bônus para professor
Proposta de Sergio Majeski abona todas as licenças médicas apresentadas pelos profissionais da educação 
Espindula propõe farmácia veterinária popular
Proposta quer assegurar a famílias que têm animais de estimação acesso gratuito a medicamentos veterinários 
Instalação de GPS em caminhões pode virar lei
Proposta de Iriny Lopes obriga instalação do sistema em caminhões-betoneira e caminhões limpa-fossa com objetivo de monitorar descarte de concreto e dejetos