Água: nova proposta para cobrança em prédios

Nos casos em que o condomínio não possuir sistema individualizado, contrato deverá definir critérios de rateio, forma de cobrança e custo da tarifa

Por Gabriela Zorzal

Copo com água pela metade embaixo de uma torneira
Pazolini apresentou emenda substitutiva a projeto de sua autoria / Foto: Divulgação

O Projeto de Lei (PL) 394/2020, que visa regulamentar a cobrança de água em condomínios comerciais e residenciais, recebeu um texto substitutivo assinado pelo próprio autor, deputado Delegado Lorenzo Pazolini (Republicanos). Embora o objetivo seja o mesmo do primeiro texto apresentado - restringir a cobrança de tarifa mínima -, o substitutivo é mais detalhado em relação a essa cobrança. 

O novo texto define que as concessionárias terão um prazo de 60 dias, contados a partir da publicação da lei, para iniciarem medição individual nos empreendimentos de múltipla economia. O texto original trazia um prazo de 30 dias. A multa para casos de não cumprimento da legislação passa a ser de R$ 850,00, menor do que na primeira versão do projeto, que trazia uma multa de R$ 7 mil. O substitutivo também define que valores arrecadados das multas serão destinados ao Fundo Estadual de Defesa do Consumidor. 

Uma novidade do substitutivo é que o texto isenta as concessionárias desse formato de medição individual nos casos em que os empreendimentos não possuírem sistema individualizado. Nesses casos, a cobrança deverá ser feita por meio de um contrato especial que descreva deveres das partes, critérios de rateio, forma de cobrança e custo da tarifa.

O substitutivo ainda proíbe as concessionárias de tratarem empreendimentos múltiplos como uma unidade e determina que, até a regularização da cobrança, imóveis múltiplos deverão ser cobrados pelo consumo dividido pelo número de unidades até a instalação de medidores individuais ou elaboração de contratos especiais. 

Vale registrar que a primeira versão do PL era mais enxuta. A matéria apenas proibia a cobrança de tarifa de água no valor do consumo mínimo multiplicado pelo número de unidades existentes no imóvel, nos casos em que existe hidrômetro único. A tarifa mínima é referente ao consumo de uma quantidade menor de água, cobrada ainda que o morador tenha utilizado um volume inferior. 

Tanto no primeiro texto como no substitutivo, o parlamentar se apoia em uma decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) sobre o tema. O colegiado entendeu que, nos casos em que o condomínio possui apenas um hidrômetro para calcular o consumo da água de seus moradores e, assim, dividir as despesas, é ilícita a cobrança da tarifa mínima. Nesses casos, deve ser considerado o gasto do consumo real.

A matéria será analisada pelas comissões de Justiça, Defesa do Consumidor e Finanças antes de ser votada pelo Plenário da Assembleia Legislativa.

PLs incluem estradas do sul em plano estadual
Quatro vias em Cachoeiro, uma em Alegre e outra em Vargem Alta podem passar a fazer parte da malha rodoviária estadual
Doutor Hércules alerta para risco da diabetes
Parlamentar repercutiu, na sessão, dado da Sociedade Brasileira de Angiologia sobre amputação em decorrência da doença 
PLC fixa número de policiais por habitante
Proposta começou a tramitar na sessão ordinária desta quarta, quando também foi lido projeto que reduz o ICMS da gasolina
Farmácias seguem tendo que informar sobre ofertas
Ales manteve veto do governo a projeto que desobriga segmento farmacêutico de informar ao consumidor comparativo com o preço anterior ao promocional
PLs incluem estradas do sul em plano estadual
Quatro vias em Cachoeiro, uma em Alegre e outra em Vargem Alta podem passar a fazer parte da malha rodoviária estadual
Doutor Hércules alerta para risco da diabetes
Parlamentar repercutiu, na sessão, dado da Sociedade Brasileira de Angiologia sobre amputação em decorrência da doença 
PLC fixa número de policiais por habitante
Proposta começou a tramitar na sessão ordinária desta quarta, quando também foi lido projeto que reduz o ICMS da gasolina