Corte de verba para o IBGE é tema de audiência

Comissão de Defesa da Cidadania e dos Direitos Humanos realiza debate sobre as consequências da redução de recursos para o Censo 2020

Por Aldo Aldesco

Comissão de Cidadania
Iriny Lopes, vice-presidente da Comissão de Cidadania, é a proponente do debate / Foto: Tati Beling

A Comissão de Defesa da Cidadania e dos Direitos Humanos realiza nesta sexta-feira (27), no Plenário Dirceu Cardoso, audiência pública para debater o corte de verbas para o Censo 2020, que possivelmente terá repercussão na definição de políticas públicas para estados e municípios. O debate será às 14 horas, no Plenário Dirceu Cardoso, e será transmitido ao vivo pela TV Assembleia. 

Para a deputada Iriny Lopes (PT), vice-presidente da comissão e proponente da audiência, os cortes vão afetar os municípios e prejudicá-los na obtenção de recursos garantidos pela Constituição. 

"Vamos realizar um debate importante sobre o impacto dos cortes no questionário do IBGE e os reflexos dessa ausência de medidores nas políticas públicas em todas as áreas, como educação, saúde, habitação, emprego e renda, Bolsa Família e as políticas de enfrentamento ao racismo e a violência contra as mulheres, dentre outras áreas sociais", afirma a deputada.  

Para debater a questão, cujo tema é "Os cortes no Censo Demográfico 2020 e o desmonte das políticas públicas”, foram convidados o geógrafo do IBGE-RJ Gustavo Junger, a historiadora e especialista em políticas públicas de gênero e raça e representante da Coalizão Negra por Direitos Wânia Sant'Anna, representantes de prefeituras do Noroeste do estado e o deputado federal Hélder Salomão (PT-ES). 

Cortes no orçamento

A cada dez anos o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) realiza o censo demográfico nacional. Para o censo de 2020, o governo federal estabeleceu cortes de verbas para o instituto. 

A projeção do IBGE para o próximo censo, com base nos custos de 2010 (que foi aproximadamente de R$ 1,4 bilhão, segundo o instituto), era de R$ 3,1 bilhões. O governo estabeleceu o orçamento em R$ 2 bilhões e o instituto diz que para viabilizar o censo é preciso de pelo menos R$ 2,3 bilhões, considerando já os cortes de perguntas anunciadas no levantamento. 

Políticas públicas

O enxugamento do questionário pode repercutir não apenas nos custo da pesquisa, mas refletir principalmente na definição de políticas públicas nas áreas de educação, saúde e moradia. A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão do Ministério Público Federal (PFDC/MPF) questionou o IBGE sobre as consequências desses cortes. 

As perguntas que serão cortadas referem-se a informações sobre renda, aluguel, emigração e posse de bens. O questionário destinado a 90% dos 70 milhões de domicílios, segundo o IBGE, passa a ter 26 perguntasm oito a menos que o Censo de 2010. Já o questionário aplicado aos outros 10% de residências, com 112 perguntas, passa a ter 76, ou seja, 30% a menos.

Comissões: Cidadania
Matéria veda homenagem a escravocratas
Prédios públicos também não poderão ter o nome de defensores da ditadura militar, nazistas, condenados por racismo, entre outros
Condutor de viatura pode ficar isento de pagar CNH
Proposta beneficia servidores das polícias Civil, Militar, Penal, Bombeiro Militar e do Iases responsáveis pela condução de veículos dos órgãos
Reunião debate segurança em transporte escolar
Segundo advogado, motoristas de aplicativo estariam realizando transporte de estudantes de forma irregular
Deputado alerta para uso responsável de auxílio
Majeski criticou oferta de crédito consignado para o Auxílio Brasil e lembrou os altos juros cobrados nos empréstimos
Matéria veda homenagem a escravocratas
Prédios públicos também não poderão ter o nome de defensores da ditadura militar, nazistas, condenados por racismo, entre outros
Condutor de viatura pode ficar isento de pagar CNH
Proposta beneficia servidores das polícias Civil, Militar, Penal, Bombeiro Militar e do Iases responsáveis pela condução de veículos dos órgãos
Reunião debate segurança em transporte escolar
Segundo advogado, motoristas de aplicativo estariam realizando transporte de estudantes de forma irregular