Ato pela educação tem adesão de deputados

Manifestação mobilizou professores, estudantes e movimentos organizados e tomou conta das escadarias da Assembleia Legislativa 

Por Larissa Lacerda

Manifestação contra corte de recursos na educação
Manifestantes ocuparam as escadarias da Assembleia / Foto: Tati Beling

Em resposta às políticas e cortes de verbas do governo federal na área da educação, estão sendo realizadas, nesta quarta-feira (15), manifestações em todo o país. Em Vitória, as ações começaram logo cedo, às 8h30, com concentração na Praça do Papa. De lá os manifestantes seguiram até a sede da Assembleia Legislativa, na Enseada do Suá.

- Veja galeria de fotos da manifestação

O tema da educação pautou também os discursos de parlamentares durante a sessão ordinária desta quarta-feira. Após os trabalhos em plenário, os deputados Sergio Majeski (PSB), Iriny Lopes (PT), Janete de Sá (PMN) e Doutor Hércules (PMDB) se juntaram em apoio ao movimento concentrado em frente à Ales e fizeram discursos em defesa da educação.

Para o deputado Sergio Majeski (PSB), as manifestações representam um marco pela luta em favor da educação pública. “A nossa luta pela educação é antiga. E hoje é uma luta ampla, é um dia importante. Não é só pelo corte de verbas nas universidades, mas sobre tudo o que a educação vem sofrendo. É um marco porque as pessoas não aguentam mais e não vão aceitar tudo que está vindo aí contra a educação e contra os professores. Me solidarizo com os professores e as instituições federais, estaduais e municipais”, afirmou o parlamentar, que lecionou por mais de 30 anos. 

A deputada Iriny Lopes (PT) falou da importância dos investimentos no setor: “O presidente anuncia corte na educação básica e nas universidades. Isso mostra que querem nos levar à idade medieval. Um país sem educação não constrói soberania, não constrói conhecimento, não constrói cidadania”, alertou. 

Autoritarismo

A deputada Janete de Sá (PMN) endossou as palavras da petista: “Cortar o conhecimento, cortar a qualificação profissional, é empobrecer uma sociedade. As universidades são os espaços de formação de opinião; por isso, temos a urgência de defender a educação. É para frente que se anda e cortar recursos da educação é andar para trás. E eu só conheço cortes na educação, só vemos cerceamento da educação em regimes autoritários. E essa não é nossa bandeira. Nós não escolhemos o autoritarismo nesse país”, reforçou.

O deputado Doutor Hércules (MDB) citou Paulo Freire em seu discurso de apoio ao movimento. “Não é possível cortar um centavo da verba da educação do povo brasileiro. Paulo Freire disse que a ‘educação não muda o mundo, a educação mudas as pessoas e as pessoas que mudam o mundo’. Não podemos aceitar corte de verbas na educação, por isso meu apoio a essa manifestação”, destacou. 

A Assembleia Legislativa entrou com uma ação na justiça para que os cortes anunciados não atinjam o Espírito Santo. Segundo o presidente da Casa, Erick Musso (PRB), a medida engloba a Ufes e o Ifes.

Bandeiras

Em Vitória, professores, estudantes, sindicalistas e representantes de movimentos sociais protestam, de forma pacífica, contra o contingenciamento de verbas públicas do Ministério da Educação para o ensino superior e para o ensino básico. Além do anúncio de bloqueio de 30% da verba para todas as universidades e institutos federais, o governo pretende cortar bolsas de pós-graduação, atingindo as instituições superiores no geral, não só as federais, o que inviabilizaria muitas pesquisas científicas no Brasil.

O movimento também pleiteia a liberdade de ensino e pensamento nas universidades e escolas e se posiciona contra o projeto Escola Sem Partido. Matéria em tramitação no Congresso Nacional propõe proibir professores de fazer comentários políticos em sala de aula. O governo também promete retirar “questões ideológicas” do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).  

Outra bandeira levantada no evento foi reforma da previdência. Os manifestantes se posicionaram contra o projeto de reforma da Previdência apresentado pelo governo federal que está em análise na Câmara dos Deputados. Entre as propostas estão o aumento do tempo para aposentadoria e alíquotas mais altas de contribuição previdenciária.

O ato foi organizado pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Espírito Santo (Sindiupes), pela Central Única de Trabalhadores (CUT) e por sindicatos de segmentos como  metalúrgicos e comerciários. De acordo com a organização, cerca de seis mil pessoas participaram do ato. 

O diretor de comunicação do Sindiupes, Paulo Loureiro, cobrou o comprometimento do Poder Legislativo na valorização da educação. “Hoje a pauta no Brasil todo é a educação. Nós não podemos concordar que a educação seja culpada pela crise e muito menos o ataque que estamos sofrendo.

Nós estamos convocando os deputados para que eles se comprometam com a pauta da educação. Para que eles dialoguem com suas bancadas para tentar garantir que esse Estado vote contra a Reforma da Previdência e contra o contingenciamento de verbas da educação. Convocamos não só os deputados, mas toda a população para se juntar à luta”, afirmou.

Além da capital, foram realizadas manifestações em Vila Velha, Colatina e São Mateus. Novos atos estão marcados para começar às 16h30, em frente ao Teatro Universitário da Ufes e em frente ao prédio do Ifes, em Vitória.
 

Aprovado fim de taxa de cartório para conselho escolar
Se virar lei, iniciativa aprovada pela Assembleia deve apoiar órgãos que representam comunidade escolar
PL que doa imóvel a VV tramita em urgência
No local já existem duas escolas, uma quadra e um Centro de Referência de Assistência Social
Finanças aprova calamidade para seis municípios
Requerimentos aprovados atendem as prefeituras de Marataízes, Vila Velha, São Mateus, Mucurici, Santa Leopoldina e Cariacica
Novo Carmélia promete reforçar área cultural
Revitalização do teatro é um dos destaques do projeto de reforma, apresentado à Comissão de Cultura da Assembleia
Aprovado fim de taxa de cartório para conselho escolar
Se virar lei, iniciativa aprovada pela Assembleia deve apoiar órgãos que representam comunidade escolar
PL que doa imóvel a VV tramita em urgência
No local já existem duas escolas, uma quadra e um Centro de Referência de Assistência Social
Finanças aprova calamidade para seis municípios
Requerimentos aprovados atendem as prefeituras de Marataízes, Vila Velha, São Mateus, Mucurici, Santa Leopoldina e Cariacica