Descriminalização do aborto é contestada em plenário

Pautados por audiência realizada pelo STF, Esmael e Favatto se posicionaram contra interrupção da gravidez até 12ª semana de gestação

Por Gleyson Tete

STF
Ministra Rosa Weber é relatora do processo / Foto: AGU

A audiência pública realizada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) na última sexta-feira (3) e na segunda (6) para ouvir especialistas e representantes da sociedade civil sobre a descriminalização da interrupção da gravidez até a 12ª semana de gestação motivou pronunciamentos dos deputados Esmael Almeida (PSD) e Dr. Rafael Favatto (Patri) na sessão ordinária desta terça (7).

 

Os dois parlamentares posicionaram-se contra a possibilidade. “Eu espero que o STF ouça os anseios da população. Temos uma pesquisa que diz que quase 70% da população brasileira não aceita o aborto”, disse Esmael. O parlamentar disse que iria coletar assinaturas junto aos colegas para enviar uma moção de repúdio ao órgão. “A vida começa com a concepção. Aborto é matar um ser indefeso e negar o sagrado direito à vida”, disparou.

 

Favatto, que é médico, fez coro com o colega, justificando que é preciso valorizar a vida humana. “Quando há união das duas células, o espermatozoide e o óvulo da mãe na trompa, já está formado um novo ser. A partir dali devemos defender a vida”, explicou.

 

O deputado lembrou que existem diversos métodos anticoncepcionais por quem não deseja ter filhos e que muitos são fornecidos de maneira gratuita à população. “Precisamos expandir esse conhecimento, pois o uso do preservativo também previne DSTs. É preciso parar de cometer esse crime que é o aborto, como em todas as profissões temos pessoas que fazem de maneira ilegal o aborto, temos que coibir”, afirmou.

 

Entenda

 

O STF realizou a audiência pública para ouvir opiniões contrárias e a favor da interrupção da gravidez até a 12ª semana de gestação. Ela foi convocada em virtude do julgamento da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 442, ajuizada pelo Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) e Instituto de Bioética, para questionar os artigos 124 e 126 do Código Penal, que estipulam penas para quem provoca em si mesma ou ajuda a realizar o aborto.

 

Agora a relatora do processo, ministra Rosa Weber, deve elaborar seu parecer e enviar para a presidente do Supremo, Cármen Lúcia, para colocar o tema em pauta. A partir daí, todos os ministro da Corte serão ouvidos e poderão emitir seus respectivos votos sobre o assunto. Entretanto, não há um prazo definido para a votação acontecer.

 

Lei Maria da Penha

 

A Lei 11.340/2006, a chamada Lei Maria da Penha, que completa doze anos nesta terça, foi citada como avanço na luta contra a violência doméstica e familiar contra a mulher. O deputado Jamir Malini (PP) destacou a criação no município de Serra da Secretaria de Políticas Públicas para as Mulheres.

 

José Esmeraldo (MDB) lamentou que mesmo com a divulgação cada vez maior pela imprensa de crimes contra as mulheres eles continuem aumentando. O deputado citou alguns casos que ganharam repercussão no Brasil este ano e pediu leis mais rígidas como punição para quem comete tais crimes.

 

“A Justiça tem que dar 30 anos de cadeia e não devia ter remissão, porque o cidadão toma 30 anos e sai com 10 anos, dependendo do advogado sai até com cinco anos. Precisamos de leis mais rígidas, pontuais e eficazes para que não aconteça isso no nosso País”, defendeu.

 

Ordem do Dia

 

A sessão foi encerrada às 16h13, logo no início da Ordem do Dia, porque apenas quatro parlamentares registraram presença, quando eram necessários dez para a manutenção da sessão. Dessa forma, todos os itens da pauta ficam adiados para serem discutidos na próxima sessão ordinária, a ser realizada nesta quarta-feira (8), às 9 horas, no Plenário Dirceu Cardoso.

Aprovado fim de taxa de cartório para conselho escolar
Se virar lei, iniciativa aprovada pela Assembleia deve apoiar órgãos que representam comunidade escolar
PL que doa imóvel a VV tramita em urgência
No local já existem duas escolas, uma quadra e um Centro de Referência de Assistência Social
Finanças aprova calamidade para seis municípios
Requerimentos aprovados atendem as prefeituras de Marataízes, Vila Velha, São Mateus, Mucurici, Santa Leopoldina e Cariacica
Novo Carmélia promete reforçar área cultural
Revitalização do teatro é um dos destaques do projeto de reforma, apresentado à Comissão de Cultura da Assembleia
Aprovado fim de taxa de cartório para conselho escolar
Se virar lei, iniciativa aprovada pela Assembleia deve apoiar órgãos que representam comunidade escolar
PL que doa imóvel a VV tramita em urgência
No local já existem duas escolas, uma quadra e um Centro de Referência de Assistência Social
Finanças aprova calamidade para seis municípios
Requerimentos aprovados atendem as prefeituras de Marataízes, Vila Velha, São Mateus, Mucurici, Santa Leopoldina e Cariacica