Coronavírus: deputados alertam sobre variante

Surgimento da variante mais recente do novo coronavírus repercutiu em plenário e gerou debate sobre obrigatoriedade da vacinação

Por Wanderley Araújo, com edição de Nicolle Expósito

Deputado Dr. Rafael Favatto fala na tribuna do plenário
Favatto reforçou importância do uso de máscara e manutenção de medidas sanitárias / Foto: Lucas S. Costa

A mais recente variante do novo coronavírus, denominada Ômicron, surgida na África e que já se espalhou por mais três continentes (Europa, Ásia e Oceania), foi tema de pronunciamentos nos trabalhos em plenário desta segunda (29).

O deputado Dr. Rafael Favatto (Patri) advertiu que a Ômicron  serve de alerta para o fato de que apesar do avanço da vacinação no Brasil a pandemia continua, e as pessoas não podem “baixar a guarda”.

Favatto observou que boa parte da população não está mais usando máscaras e nem higienizando as mãos após cumprimentos e toque em objetos e superfícies. O deputado lembrou que a não higienização das mãos é um perigo, pois o novo coronavírus pode ser transmitido, não apenas pelo espirro e saliva, mas também pelo contato que pode ocorrer caso a pessoa leve as mãos aos olhos ou à boca.

Veja mais fotos da sessão 

O deputado, que é médico, fez um apelo para que as pessoas que estão com a vacinação incompleta ou ainda não tomaram sequer a primeira dose da vacina façam a imunização o mais rápido possível. “A situação volta a se tornar preocupante (com o surgimento da Ômicron) e na Holanda a primeira-ministra está recomendando a quem puder trabalhar de forma remota em casa que fique em casa”, relatou.

Sergio Majeski (PSB) chamou de irresponsáveis as pessoas que não querem ser vacinadas. Para o deputado, a Ômicron surgiu na África devido à falta de vacinas no continente, mas no Brasil os imunizantes estão sobrando.

Divergência

Em contraponto às falas de Favatto e Majeski, os deputados Torino Marques (PSL) e Capitão Assumção (Patri) defenderam a liberdade de escolha em relação a tomar ou não a vacina.

Preocupado em defender a economia do setor turístico capixaba em 2022, Torino projetou um Ano Novo e Carnaval animados como forma de compensar parte das perdas já impostas pela pandemia. O deputado argumentou que a recuperação econômica já começou diante das quedas nos números de internações pela Covid, e isto é positivo para o turismo, mas fez questão de salientar que defende a vacinação apenas para quem queira tomar a vacina.

Já Capitão Assumção criticou portaria conjunta datada de 26 de novembro e assinada pelos secretários estaduais da Saúde (Nésio Fernandes) e de Gestão e Recursos Humanos (Marcelo  Calmon) que obriga servidores do estado a apresentarem cartão de vacina contra a Covid-19. Segundo ele, a portaria é uma “insanidade”, pois não há lei que a ampare e no Brasil ninguém pode ser obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa que não esteja previsto em lei. “Uma portaria não pode estar acima do direito de ir e vir; a vacina não impede a transmissão do vírus e há pessoas que, por recomendação médica, não podem ser vacinadas”, afirmou.

UTI em Santa Casa

Theodorico Ferraço (DEM) cobrou do governador Renato Casagrande (PSB) que libere recursos de R$ 6,5 milhões destinados à conclusão das obras da Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) da Santa Casa de Misericórdia do município de Iúna. Ele explicou que o valor chegou a ser empenhado pelo ex-governador Paulo Hartung, e faz parte de um total de R$ 35 milhões que a Assembleia Legislativa (Ales) economizou e devolveu ao Estado quando Ferraço presidiu a Casa. “Nós devolvemos ao Hartung R$ 35 milhões com a condição de que R$ 6,5 milhões fossem revertidos para essa UTI da Santa Casa de Iúna, mas depois entrou o atual governador, veio a pandemia também, e tudo ficou parado”, disse o parlamentar.

Feminicídio

Janete de Sá (PMN) fez mais uma vez alerta na tribuna sobre a escalada da violência contra a mulher no Espírito Santo. O assassinato mais recente de pessoa do sexo feminino no estado, conforme relatou, ocorreu no sábado (27). O corpo de Laiane Pessoa dos Santos, de 20 anos, foi encontrado perfurado por tiros de arma de fogo em uma estrada de terra. A autoria e a motivação do crime ainda são desconhecidas.

Janete denunciou que em 2021 já houve o registro de 103 assassinatos de mulheres no estado, aumento de 15,7% em relação ao registrado em todo o período do ano passado, quando 89 mulheres perderam a vida de forma violenta.

Na região metropolitana em 2021 foram 39 mulheres mortas vítimas de violência, quase igualando com o registrado em 2020 (41). No norte do estado o número de vítimas este ano já é maior do que o do ano passado, subindo de 20 para 25. No sul capixaba quase dobrou o índice de assassinato das mulheres no mesmo período subindo de 8 para 14; no noroeste o fenômeno se repete subindo de 10 para 17. E na região serrana já são oito mortes violentas registradas, chegando quase à marca de 2020, quando oito mulheres foram assassinadas.

“A situação é dramática e não podemos deixar de denunciar isso, lembrando que estamos também no clima da campanha de 21 dias de resistência contra a matança de mulheres em todo o país”, lembrou a deputada.  

Matéria veda homenagem a escravocratas
Prédios públicos também não poderão ter o nome de defensores da ditadura militar, nazistas, condenados por racismo, entre outros
Condutor de viatura pode ficar isento de pagar CNH
Proposta beneficia servidores das polícias Civil, Militar, Penal, Bombeiro Militar e do Iases responsáveis pela condução de veículos dos órgãos
Reunião debate segurança em transporte escolar
Segundo advogado, motoristas de aplicativo estariam realizando transporte de estudantes de forma irregular
Deputado alerta para uso responsável de auxílio
Majeski criticou oferta de crédito consignado para o Auxílio Brasil e lembrou os altos juros cobrados nos empréstimos
Matéria veda homenagem a escravocratas
Prédios públicos também não poderão ter o nome de defensores da ditadura militar, nazistas, condenados por racismo, entre outros
Condutor de viatura pode ficar isento de pagar CNH
Proposta beneficia servidores das polícias Civil, Militar, Penal, Bombeiro Militar e do Iases responsáveis pela condução de veículos dos órgãos
Reunião debate segurança em transporte escolar
Segundo advogado, motoristas de aplicativo estariam realizando transporte de estudantes de forma irregular