Qualidade da água tratada em debate

Diante de questionamento de ONG sobre presença de substâncias nocivas à saúde, Cesan falou sobre processo de monitoramento da água antes de distribuir para consumo

Por Marcos Bonn | Atualizado há 7 dias

Tela exibe imagens de participantes de reunião da Comissão de Saúde
Representantes da Cesan e de ONG participaram de reunião extra da Comissão de Saúde / Foto: Ana Salles
 

O debate em torno da presença, acima dos limites legais, de compostos químicos nocivos à saúde na água tratada consumida pelo capixaba na Grande Vitória colocou em lados opostos a ONG Juntos SOS ES Ambiental e a Cesan. Representantes dos órgãos participaram da reunião virtual da Comissão de Saúde desta terça-feira (6).

O presidente da ONG, Eraylton Moreschi Júnior, listou uma série de matérias jornalísticas e documentos oficiais sobre a baixa qualidade da água fornecida, sobretudo na Serra. A presença de trihalometanos e ácidos halocéticos (subprodutos da cloração) foi constatada e resultou em multa aplicada pela Agência de Regulação de Serviços Públicos do Espírito Santo (Arsp) à Cesan.

A presença das substâncias foi atestada por nota técnica emitida pela Agência Estadual de Recursos Hídricos (Agerh), que as classificou como responsáveis por “diversos danos à saúde”. No entanto, segundo Moreschi, elas têm relação com o surgimento de câncer e representam risco para os consumidores de água tratada. Ele criticou a negligência de entidades estaduais da área. 

“Os trihalometanos são considerados compostos cancerígenos e os halocéticos da mesma forma. Inclusive os halocéticos, além de serem cancerígenos, podem causar problemas reprodutivos nas pessoas que fizerem o uso continuado desses produtos”, afirmou Moreschi.

A pesquisa sobre a qualidade da água no município partiu de demanda apresentada pela Secretaria Municipal de Saúde da Serra e envolveu dados coletados pela Cesan entre novembro de 2016 e novembro de 2020. Coube a representantes da companhia apresentar dados para comprovar a segurança da água captada e distribuída aos cidadãos. 

Monitoramento

A gerente de Qualidade da Água da Cesan, Juciane da Silva Motta, destacou a atenção da autarquia com o monitoramento da água, desde a captação no manancial, passando pela fase de tratamento até a distribuição. Segundo disse, o processo é balizado por legislações específicas e envolve laboratórios certificados internacionalmente.

“Toda água produzida pela Cesan é analisada antes de ser distribuída para garantir que esteja potável e própria para o consumo humano”, reforçou. “A prevenção e a solução de anomalias são acompanhadas diariamente por profissionais especializados, também utilizando equipamentos de alta tecnologia em cumprimento à legislação sanitária vigente”, completou.

O chefe da Gerência Metropolitana Norte da Cesan, André Lima, disse que “anomalias ocasionais e pontuais podem ocorrer”, mas são resolvidas “o mais rápido possível”. Ele contou que após a crise hídrica entre 2014 e 2016 observaram-se alterações das características das águas dos mananciais.

“Essas alterações influenciaram diretamente nos processos de tratamento já utilizados anteriormente, como, por exemplo, a etapa de pré-cloração, em que nós utilizamos o produto químico cloro”, explicou. “Tão logo a gente observou a formação desses subprodutos na água tratada, começamos a investigar, através do nosso corpo técnico, novas tecnologias para remoção”. 

De acordo com ele, após diversos testes, a companhia passou a optar, desde 2019, pela utilização do peróxido de hidrogênio, substituindo o cloro na pré-oxidação da água. “Temos obtido nesse período excelentes resultados, minimizando a formação do THM, os trihalometanos, e dos ácidos halocéticos”, pontuou André Lima. 

A preocupação em torno da qualidade da água foi compartilhada pelos deputados Dr. Emílio Mameri (PSDB) e Luciano Machado (PV), que cobraram mais investimentos no setor do saneamento básico. Apesar dos problemas, Bruno Lamas (PSB), vice-presidente da Comissão de Meio Ambiente, lembrou que a situação é ainda mais precária em municípios não abastecidos pela Cesan.

“Nenhum governo é tão bom que não possa ser melhorado. Nenhum governo é tão ruim que não tenha nada que se possa ser enaltecido”, disse. Já o presidente da Comissão de Saúde, Doutor Hércules (MDB), adiantou que condensará toda a discussão e remeterá ao Ministério Público Estadual (MPE-ES) para adotar as providências cabíveis. 

Participaram também da reunião a diretora de Saneamento Básico e Infraestrutura Viária da Arsp, Kátia Muniz Côco; o diretor operacional da Cesan, Rodolpho Gomes Có; o diretor de Planejamento e Infraestrutura Hídrica da Agerh, José Roberto Jorge; e o chefe do Núcleo Especial de Vigilância Ambiental do Estado, Laperriere Júnior.
 

Comissões: Saúde
Lei: Facas expostas à venda devem estar protegidas
Lei de autoria de Torino Marques obriga estabelecimentos a manter facas, canivetes, estiletes e facões em compartimentos protegidos por vidro ou acrílico
Presidente do Sindilegis morre vítima de Covid
Gildo Gomes estava internado desde 21 de março e faleceu na manhã desta sexta em decorrência de complicações da doença
Ales recebe 300 cestas de alimentos em 1º dia de campanha
Oferta feita por um grupo de empresas foi entregue pela Findes e será destinada a entidades que atendem a pessoas em vulnerabilidade social
Debate: papel da igreja na proteção à criança
Participantes de reunião virtual apresentaram problemas e cobraram soluções para que trabalho seja continuado
Lei: Facas expostas à venda devem estar protegidas
Lei de autoria de Torino Marques obriga estabelecimentos a manter facas, canivetes, estiletes e facões em compartimentos protegidos por vidro ou acrílico
Presidente do Sindilegis morre vítima de Covid
Gildo Gomes estava internado desde 21 de março e faleceu na manhã desta sexta em decorrência de complicações da doença
Ales recebe 300 cestas de alimentos em 1º dia de campanha
Oferta feita por um grupo de empresas foi entregue pela Findes e será destinada a entidades que atendem a pessoas em vulnerabilidade social